Entrar // Sobre // Equipe /
kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

ATRAVESSANDO A BAÍA DO MARAJÓ


Foto: panoramio.com

por Walter Luiz Jardim Rodrigues

Atravessar a baía do Marajó além de ser demorado em embarcações de madeiras conhecidas na região como “navio-gaiolas”, era também um teste para o estômago do caboclo. O barco jogava para todos os lados e não raras vezes as águas invadiam o convés obrigando os passageiros a se levantar para acudir suas bolsas, que viajam ao chão, abaixo de suas redes. Algumas senhoras e até mesmo alguns senhores, às vezes, entram em pânico. Muitos choram e rezam para o divertimento dos demais passageiros acostumados com aquelas “pavulagens” da baía.
Naquela mesma embarcação viajavam dois primos. Uma nunca tinha encarado a travessia; já o outro, era macaco-velho. Felipe e Rogério, assim eram os nomes dos dois rapazes. Felipe, muito nervoso, estava prestes a se cagar nas calças.
- Rogério! – dizia Felipe ao outro. – Tu ainda tens aquela garrafa de cachaça?
- Tenho sim, primo! – respondeu o outro. – Tá lá dentro da minha valise.
- Vamos abrir pra tomar um pouco? Pra passar o frio, esquentar o corpo... hehe.
- Vou pegar lá e já volto.
- Valeu, primo!
A noite se fazia mais escura quando se atravessava a baía do Marajó, e os ventos não eram de brincadeira. Mas após alguns goles, Felipe já até estava se divertindo com todo aquele balanço e estrondo de ondas que faziam as estruturas do barco ranger.
Algum tempo depois, surgiu uma garota magra de cabelos lisos e louros. Todos os passageiros estavam em suas redes naquele horário da noite. Somente Felipe e seu primo Rogério estavam sentados naquela pequena área do barco, uma espécie de salão de festa, localizada na parte da popa da embarcação, reservada a lanchonete e ao bar simultaneamente. Só que naquele horário da noite já estava fechado. Bem, agora eles não estavam mais sozinhos. A garota parecia chateada com alguma coisa.
- Se um cara aparecer por aqui – disse a garota aos rapazes com gestos afobados - perguntando por mim, diga que eu já desci. Vou me esconder aqui no banheiro.
Logo em seguida um rapaz baixo e entroncado apareceu olhando ao redor.
- Passou alguma garota por aqui? – perguntou ele.
- Passou sim, cara – respondeu Rogério. – Mas ela desceu ainda pouco.
- Valeu, cara. Ela deve ter ido se deitar na rede dela. Boa noite.
- Boa – responderam os dois.
Assim que o rapaz desceu, a garota saiu de fininho de dentro do banheiro.
- Porra! – disse ela aos rapazes em seguida. – Pensei que aquele otário não fosse descer. Ele tava querendo ficar comigo. Tava insistindo, se humilhando... Eu não gosto dessas palhaçadas! Parece que o cara não tem orgulho próprio.
- Sente-se e beba com a gente – sugeriu Rogério.
- O que vocês estão bebendo? – perguntou ela.
- Cachaça – respondeu naturalmente Felipe, que estava deitado em um banco com os braços cruzados sobre sua face.
- Forte demais! – comentou ela a Rogério. - Que dizer que vocês são machões, então? Mas aquele ali já estar desbundado.
- Eu tô com muito sono… E minha cabeça tá doendo - se lamentou Felipe.
- Esse cara é um mala! Me passa logo um gole aí, seu veadinho! – respondeu ela, mas Felipe apenas ficou ali deitado, então Rogério pegou a garrafa e passou imediatamente a ela.
Ela deu dois goles dignos de um cachaceiro de esquina e passou a garrafa para Rogério, que deu os seus goles também sem tirar os olhos de cima daquela garota incomum como que querendo se convencer de que ela era real.
- Porra lá vem o cara de novo! – observou a garota indignada. - O fodido já me viu!
O rapaz estava sem camisa, apenas de bermuda. Era robusto e de expressões melancólicas. Um cara que nasceu com todos os atributos físicos e psicológicos para ser um corno manso. Ele a chamou de canto. Ela foi até ele irritadíssima. Sentaram-se num banco, um do lado do outro. Ele passava a mão sutilmente nos cabelos dourados e acariciava com as pontas dos dedos a face fina da garota dizendo suavemente a ela, quase que num sussurro: “Vamos descer, gata. Pare de beber essa bebida forte. Pode fazer mal pra ti.  Esses caras aí são uns cachaceiros. Não se misture com eles...”
- Eu vou ficar aqui! – respondeu ela quase gritando. – Estou bebendo e vou continuar bebendo com eles. Tu não mandas em mim!
O rapaz abaixou e coçou a cabeça. No entanto, os dois permaneciam sentados. Nenhum se ergueu. Rogério e Felipe observavam a certa distância.
- É cara – sussurrou Felipe a seu primo. – E lá se vai a nossa puta. Eu vou é procurar minha rede e dormir o que é.
Mas Rogério não compartilhava da mesma opinião. Talvez, por isso, ele achou de se aproximar dos dois e parar quase em cima deles. O rapaz olhou para Rogério com receio e manteve-se alerta. Porém, Rogério simplesmente ofereceu sua garrafa de cachaça, no que o outro recusou imediatamente.
- Se ele não quer, eu quero!  - disse a garota tomando a garrafa das mãos de Rogério e a levando com paixão até seus lábios finos e vermelhos, sugando aquele líquido transparente como se fosse água de nascente.
Então Rogério tomou uma atitude instintiva, quase brutal. Puxou a garota pelo braço a colocando de pé para imediatamente envolver sua estreita cintura num abraço para lá de colado. E para finalizar sua abordagem cinematográfica: um belo beijo chupado de língua! O rapaz que assistiu o desenrolar da cena numa mescla de surpresa e vergonha, se levantou muito atordoado e sem dizer uma palavra, resolveu se retirar por fim.
Felipe estava sentado observando aquilo tudo com um ar de incredulidade e fascínio. Quem diria que Rogério com todo aquele seu jeitão tímido e calado fosse capaz de chegar numa mulher daquela maneira.
- Beija um pouco o meu primo – disse Rogério de repente para garota.
- O quê? – perguntou ela olhando na direção de Felipe.
- Quero que tu fiques também com ele – respondeu ele.
- Então eu quero que vocês me mostrem as picas – sentenciou ela.
- Por que tu queres ver nossos paus? – perguntou Felipe.
- Quero ver o tamanho deles – respondeu ela dando mais um gole na boca da garrafa, que já estava quase no final. – Quero ver se vale a pena.
Felipe se ergueu rapidamente do banco e quando já começava desabotoar a calça jeans, parou e a abotoou novamente dizendo:
- Tu és uma doida!
E deitou-se novamente com os braços cruzados sobre a sua face larga.  
      - Bom – respondeu ela, maliciosamente -, quando um cara tem medo de mostrar o pau é porque o pau é pequeno. O dele – e apontou na direção de Rogério - é médio. Sabe, a gente conhece o tamanho pelo monte que forma na frente da calça. E o teu é pequeninho mesmo. Nem precisa me mostrar.
- Não é que seja pequeno, sua puta! – reagiu Felipe bastante indignado – É que tá muito frio aqui!
Rogério e a garota sorriram bastante. Felipe ficou muito encabulado.
- Vou te mostrar o meu pau então! – disse ele avançando pra cima dela a abraçando e a beijando até seu pau ficar duro. Coisa que não demorou muito a acontecer.
Rogério estava esfregando seu pau mediano na bunda da garota e beijando seu pescoço, enquanto Felipe esfregava seu pau pequeno na parte da frente da garota a beijando na boca. Era um sanduíche de bêbados, sem dúvida.
- Chupa a minha pica! – ordenou Felipe no calor do momento.
- E a minha também, caralho! – disse Rogério.
Mas a garota queria algo em troca dos dois. Ela queria que eles se beijassem na boca.
- Bem que tu disseste que essa vagabunda era doida, Felipe – se irritou Rogério deixando se pau mediano amolecer na hora.
- Vocês dois estavam juntos desde que entraram no barco – continuou a garota se sentindo cheia de razões e visivelmente irritada por ver sua mísera vontade negada de maneira tão áspera. – Só pode ser um casal! Eu pensei. E não tem nada haver vocês se beijarem aí pra eu ver. Isso me dá muito tesão, sabiam?
- Foda-se, puta-escrota! A gente é primo!– gritou Rogério apontando o dedo na face da garota.  
- Primos também se casam e constituem até família, seu jegue. Um beijo não vai matar e nem fazer de vocês menos homens. Depois vocês podem me comer até enjoar.
Felipe que estava calado desde o início daquela negociação, talvez pensando no assunto de forma mais aberta e tranquila do que seu primo, resolveu finalmente opinar:
 - Que frescura é essa, Rogério – começou Felipe com um sorriso incomum. – A garota não tá pedindo nada demais, cara. Esse negócio de ficar bancando o machão já não tá com nada. Tu não te lembras de quando a gente era moleque?
- Primo, que papo de veado é esse? Tô começando a te estranhar?
- Temos que ter a mente aberta. Viver a vida louca! Beber em todas as fontes e cheirar todas as rosas! Tens que ser moderno, seu caboclo do mato! Sei que tu tens vontade de liberar o outro lado da moeda. Todo mundo tem pelo menos curiosidade.
- Eu já fiquei com várias primas e primos – ajuntou a garota. – E gostei muito.
Depois se fez um silêncio. Para deixar Rogério se decidir. Mas ele apenas olhava para o seu primo de forma assustada e decepcionada. Olhava para a garota e a odiava com todas as forças. Entretanto, Felipe acreditou que Rogério estivesse apenas sem coragem para se decidir, e por isso, se aproximou dele com muito ardor:
- Vem cá e vamos acabar logo com isso! – disse Felipe envolvendo Rogério pela cintura com a mão direita, e com a mão esquerda segurando com força a nuca de seu primo, enquanto seus lábios lançavam-se aos lábios do outro com uma velocidade voraz impressionante.

Seus familiares não acreditavam que Rogério fosse capaz de tomar uma atitude daquelas. Quebrar a cabeça do próprio primo com uma garrafa de vidro e ainda por cima ter o sangue frio para atirá-lo no meio da baía. Por sorte a garota havia corrido até a cabine do capitão para avisar que uma briga entre dois jovens alcoolizados estava ocorrendo na parte de trás do barco por sua causa. Briga por ciúmes. Mas ela garantiu que não tinha dado confiança para nenhum dos dois. Apenas parou para pedir uma informação, mas foi obrigada a aceitar um gole da bebida que eles muito forçadamente haviam lhe oferecido. Mais por medo do que por outra coisa ela ficou por ali, fingindo que bebia. Depois veio a confusão.
- Mas até eu faria a maior confusão pra ficar contigo, minha filha – gracejou o capital dando um leve beliscão na perna da garota após terem embarcado o pobre Felipe e trancafiado Rogério, muito custosamente, dentro de um camarote.
- Te enxergar, velho tarado! – respondeu ela com desprezo. – Tens idade pra ser meu avô. Vou é dormir o que é antes que me estuprem! Nessa viajem só embarcou maníacos!
 O capitão apenas sorriu observando a bela bunda da garota que se distanciava num requebrado excitante, provocativo. Depois voltou para o seu timão. A viagem atrasaria em uma hora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Versos Rascunhos agradece sua visita. Volte outras vezes.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...