Entrar // Sobre // Equipe /
kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

domingo, 14 de dezembro de 2014

Do alto do terminal da Folha 32


Para Viviane Corrêa Santos

Meus versos amputados rastejam-se sobre finas lâminas de navalhas.
A cidade média de papel suspenso, ora eleva-se no horizonte; ora alinha-se ao nível do Itacaiúnas e do Tocantins.
Marabá de minhas certezas desesperadamente pretendidas certas, cujo trem abarrotado de esperanças contraditórias leva e eleva e suprime infinitos gritos inaudíveis de tudo o que seu solo já não pode oferecer.
E do alto do terminal da Folha 32, o Itacaiúnas manda seu cheiro e frescor enquanto você, meu Amor, avança pela deserta e bem pavimentada Transamazônica.
A cidade toda iluminada se estende como um grande lençol cintilante sobre um imenso corpo irregular.

Enquanto o ônibus atrasado alinha-se à baia de embarque trazendo-me uma terrível solidão. E o desejo de não embarcar destroça-me retrocedendo os momentos de paz que é possível alcançar plenamente nos braços de quem amamos.

Texto e foto: Walter Rodrigues.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Versos Rascunhos agradece sua visita. Volte outras vezes.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...