Entrar // Sobre // Equipe /
kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

KamikASES é o nome da mais nova revista literária do Brasil


Por Walter Rodrigues.


Ontem, 02 de setembro de 2010, eu tive o prazer de prestigiar o lançamento da revista literária dos alunos de Letras da Universidade Federal do Pará, a revista Kamikases, que contou com o apóio e o patrocínio da Pró-reitoria de Extensão – PROEX e da Diretoria de Assistência e Integração Estudantil – DAIE.

Os autores da primeira edição da revista estavam quase todos lá, emocionados, falando sobre as dificuldades e as superações até a publicação. Contos, poemas, crônicas, história em quadrinhos, artigos e uma crítica cinematográfica sobre o filme “Nós que aqui estamos por vós esperamos”, Brasil 1998, de Marcelo Masagão, compõe esta singular e ousada revista literária.

Digo singular pelo fato de ser a primeira revista literária que leio e até mesmo ouço falar aqui na cidade de Belém; e ousada pelo fato de alguns de seus autores apresentarem uma expressão artística para além dos dogmas estéticos da linguagem amordaçada e presa a moldes ainda provincianos.


“Acreditamos que não, acreditamos que necessitamos da expressão e comunicação Libertária, sem nos preocuparmos com juízos de valor, sem nos preocuparmos se agradamos ou desagradamos, sem nos preocuparmos se ferimos morais ou convicções quaisquer que sejam, sem nos preocuparmos com a crítica, até porque, para haver crítica, é preciso que alguém ouça nosso grito. Melhor gritar e ser ouvido, ainda que desagradando, incomodando, do que permanecer eunucamente mudo e servil.”


O trecho acima nos dá uma palinha da força desses jovens autores. Um grito, um brado que só mesmo alguém que passou muito tempo acorrentado poderia dar. Estas palavras me fizeram lembrar um grande mestre da literatura universal, Charles Bukowski, que em sua época já antevia uma língua inglesa americana renovada, superando velhos moldes em busca de uma nova forma de expressão mais livre e americana:


“ - Acredito que a língua inglesa é a forma mais expressiva e contagiante de comunicação. Para começar, deveríamos ser gratos por possuir essa dádiva única que é ter uma grande língua. E se nós a desmerecemos, estamos desmerecendo a nós mesmos. Por tanto, vamos escutar com cautela, tomar conhecimento de nossa herança, mas ainda ter a ousadia de explorar e assumir os riscos da renovação da linguagem...”

(...)

“ - Devemos esquecer a Inglaterra e o uso que fazem da língua que temos em comum. Ainda que a utilização que os britânicos fazem da língua seja refinada, nossa variante americana contém muitos poços profundos cheios de recursos ainda não explorados. Esses recursos continuam desconhecidos. Deixem chegar o momento apropriado e os escritores apropriados que um dia haverá uma explosão literária...”

(...)

“ - Nossa cultura americana – ela disse – está destinada à grandeza. A língua inglesa, agora tão limitada, presa à sua estrutura, será reinventada e aperfeiçoada. Nossos escritores usarão o que poderíamos, creio eu, de americanês...”

(...)

“ - Cada vez mais descobriremos nossas próprias verdades e nosso modo próprio de falar, e essa voz estará despojada de velhas histórias, de velhos costumes, de sonhos velhos e inúteis...”


Quando pela primeira vez entrei em contato com a literatura, foi com um romance de Machado de Assis, e confesso, senti um estranhamento constrangedor. Sua voz parecia vim de muito, muito longe. Bom, concluir que livros eram para pessoas cultas e não para mim. Até que em meu aniversário de 18 anos, minha mãe me presenteou com “O Alquimista”, de Paulo Coelho. Li o livro em um dia, e ali entendi que livros poderiam ser legais e até mesmo vitais. Claro, que através dos livros de Paulo Coelho eu descobriria um universo de escritores. Tão bons em suas literaturas que meu autor favorito acabaria sendo deixado de lado, por agora eu o achar insuficiente para a minha ganância literária. Paulo Coelho já não me diria muita coisa, mas me serviu de portal para adentrar nesse maravilhoso mundo das palavras.

Esta pequena biografia exemplifica uma situação corrente em nossa sociedade: leitores sendo iniciados com autores e textos ultrapassados. Certamente isso espanta a maioria, lembro o quanto terrível e exaustivo foi-me ler “Amor de Perdição” de Camilo Castelo Branco para o Vestibular. Esta questão de leituras obrigatórias é um outro problema para o acesso de novos leitores no mundo da literatura. A verdade é que mais espantamos os interessados do que os seduzimos. Mas isso já é uma outra questão.

Com papel, edição e diagramação de alta qualidade, a Revista Kamikases, vem encher uma lacuna que há muito tempo esteve na expressão literária local. Esperamos que a revista não fique apenas restrita ao ambiente acadêmico, pois dessa forma ela estaria abafando sua notável grandeza e missão. Que ela possa estar presente nas bibliotecas públicas, nas bancas de revistas... enfim, que ela possa estar aberta para o público em geral, que embora sabermos ser bastante reduzido. Muitas vezes ouvir alguns escritores locais se queixarem que no Pará as pessoas não liam e não valorizavam os escritores da terra. Será que a culpa seria mesmo das pessoas que não liam os escritores da terra? Ou seria dos escritores e suas literaturas?

Há tempos eu sonhava em ler algo de algum autor paraense com a leveza, a universalidade e a liberdade de “A caronista” de Charles Alves e “Roxy” de Francisco Ewerton dos Santos.

Para ser mais emotivo e sincero, enchi-me de orgulho e esperanças ao ler esta revista. As coisas no mundo das letras paraense parecem estar mudando, e isso é bom. Parabéns a todos vocês que nos presentearam com esta revista!


Contato: coletivokamikaze@hotmail.com



REFERÊNCIAS

BUKOWSKI, Charles; Misto-quente. Tradução de Pedro Gonzaga. Editora L&PM Pocket, 2007.

kamikASES revista literária - ano I 2010. Edição n° 1. ISSN 2178-1559.


8 comentários:

  1. caro walter, neste exato instante, é imensa a minha felicidade. acabo de ler em teu blog o artigo sobre o lançamento da revista. em 1° lugar, quero te agradecer pela belas e incentivadoras palavras "muito obrigado!" (sempre em frente!). em 2º lugar, perguntar se eu posso publicar esse texto na parte destinada às correspondências na revista, "pode ser?" e por fim, dizer que partilhamos o mesmo ponto de vista sobre muito do que tu disseste em teu artigo, como sobre a literatura sempre precisando de renovação, pois do contrário, como muito acontece em belém, teremos nada além de lixeratura; há ainda outras consonâncias, como sobre as "leituras obrigatórias"... enfim, seria bom falar pessoalmente contigo, pois penso que daqui pra frente iremos sempre manter contato... algo me diz...

    há braços kamikASES!!!

    guaxe.

    ResponderExcluir
  2. Walter,
    foi com muita felicidade que li o seu artigo. Agradeço imensamente pela força! "Melhor gritar e ser ouvido, ainda que desagradando, incomodando, do que permanecer eunucamente mudo e servil."
    Percebo que fomos ouvidos, e, por incrivel que pareça, agradamos (a alguém).
    Gostaria de pedir sua autorização para postar este texto em meu blog, em uma postagem sobre o lançamento da KamikASES. Pode ser?
    Vamos manter contato!

    Abraços!

    Francisco Ewerton dos Santos

    ResponderExcluir
  3. Caro GUAXE,

    confesso, de verdade, que me foi uma grande surpresa e um previlégio ver seu comentário aqui. já conhecia um pouco de seu trabalho. esta revista me deixou bastante emocionado. há algum tempo venho estudando a literatura local, e a impressão não me foi das melhores. desenvolvi alguns trabalhos nessa mesma linha que vocês desenvolveram, e por isso, me senti como se tivesse encontrado o meu pessoal, minha tribo. certamente, ainda há muito o que conversar e eu gostaria muito de conversar com vocês. quanto ao post, bom, é nosso. seria-me uma honra lê-lo nessa revolucionária revista que tanto sonhei que fosse parida dentro do nosso estado.
    obrigado pelas palavras,

    Caro EWERTON

    foi muito prazeroso ler sua "Roxy", nem parecia que eu estava lendo um autor daqui (Pará e até mesmo do Brasil). infelizmente ainda estamos condicionados a uma escrita limitada a moldes, e isso tem que acabar. muito bom o teu texto, Ewerton, nos prende até a última linha. texto porrada, narrativa harmoniosa, fácil de ler, empolgante e muito inteligente. podes sim publicar o post em seu blog. precisamos divulgar mais e mais o que é bom. manteremos contato com certeza.
    Parabéns!!! e obrigado pela visita e comentário.

    ResponderExcluir
  4. Caro, Walter,

    não é demais agradecer o incentivo: valeu!

    Estou postando tua crítica no blog da Revista Literária KamikASES (espero que não se importe por isso, sim?).. reverberando-nos, reverberando-nos...
    Carpe diem!
    HArley Dolzane

    ResponderExcluir
  5. claro que não meu caro Dolzane.
    ou seja, reverberando-nos. pra mim, que sempre quis fazer letras na ufpa, ter meu singelo texto no blog de vcs (alunos do curso dos meus sonhos) é uma enorme honra.
    enstou ansioso pela kamiKASES volume 2.
    SUCESSO A TODOS!

    ResponderExcluir
  6. Walter querido,

    É realmente bom saber que das expressões literárias se despontam mais outras expressões,outras impressões, visões, divagações, entre outros sentimentos. E pode ter certeza, que as tuas palavras propagam uma força,um vigor, e até mesmo uma valentia que muita vezes nos falta nesse caminho que não é, mas que se tornou tão obscuro e restrito pra os amantes da boa leitura, da boa literatura. Textos como o seu, e como o de escritores que estão na edição 0 e edição 1 da kamikASES é que dão a vida para seguir cada vez mais rumo à novos horizontes dentro desse devaneio que vem das letras.

    Obrigada, e um grande abraço!

    ResponderExcluir
  7. olá minha cara Mayara.
    que bonitas e gentis tuas palavras. agradeço enormente seu incentivo e suas palavras. e que possamos cada dia mais "seguir cada vez mais rumo à novos horizontes dentro desse devaneio que vem das letras."
    um forte abraço, minha linda!

    ResponderExcluir
  8. Oi Walter...
    bom passei aqui para ler seu artigo e agradecer os parabéns, ainda venho sempre aqui, apesar de nem sempre haver tempo para deixar um pouco de mim nos comentários...
    Infelizmente, não pude participar do lançamento da revista, mas quero parabenizar a galera de letras da UFPA, a qual me orgulho em fazer parte...

    Obrigada mais uma vez.
    bjinhus

    ResponderExcluir

Versos Rascunhos agradece sua visita. Volte outras vezes.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...